Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica


Tipo de curso
Pós-graduação

Tipo de curso
Pós-graduação
O Curso de Pós-Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica, cujo plano de estudos se encontra publicado na Portaria nº 146/2016, de 18 de maio, tem como objetivo central formar enfermeiros, dotando-os de recursos necessários à prática de enfermagem especializada à/com a pessoa em situação crítica e família.

FINALIDADES DO CURSO
O curso de Pós-Licenciatura de Especialização em EMC tem como principal finalidade formar enfermeiros que, na sua área de estudo e no âmbito das suas competências profissionais, sejam detentores de:
a)conhecimentos e capacidade de compreensão, a um nível mais desenvolvido e aprofundado, relativamente ao curso de licenciatura em Enfermagem;
b)conhecimentos e capacidade de compreensão que constituam a base para o desenvolvimento e/ou aplicações originais, nomeadamente em contexto de investigação;
c)capacidade para aplicar conhecimentos e compreender e resolver problemas em situações novas e não familiares, em contextos alargados e multidisciplinares;
d)capacidade para integrar conhecimentos, lidar com questões complexas, desenvolver soluções ou emitir juízos em situações de informação limitada ou incompleta, incluindo reflexões sobre as implicações e responsabilidades éticas e sociais que resultem ou condicionem essas soluções e esses juízos;
e)capacidade para comunicar as suas conclusões, os conhecimentos e os raciocínios a elas subjacentes, quer a especialistas, quer a não especialistas, de uma forma clara e sem ambiguidades;
f)competências que lhes permitam uma aprendizagem ao longo da vida, de um modo fundamentalmente auto-orientado e autónomo.

PERFIL DE COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER
No final da formação e de acordo com o previsto pela Ordem dos Enfermeiros relativamente às competências comuns do enfermeiro especialista (Regulamento nº 122/2011, de 18 de fevereiro) e relativamente às competências específicas do enfermeiro especialista em pessoa em situação crítica (Regulamento nº 124/2011, de 18 de fevereiro) os enfermeiros devem ser capazes de:
a)desenvolver uma prática profissional e ética no seu campo de intervenção;
b)promover práticas de cuidados que respeitam os direitos humanos e as responsabilidades profissionais;
c)desempenhar um papel dinamizador no desenvolvimento e suporte das iniciativas e estratégias institucionais na área da governação clínica;
d)conceber, gerir e colaborar em programas de melhoria contínua da qualidade;
e)criar e manter um ambiente terapêutico e seguro;
f)gerir os cuidados, otimizando a resposta da equipa de enfermagem e seus colaboradores e a articulação na equipa multiprofissional;
g)adaptar e liderar a gestão de recursos às situações e ao contexto, visando a máxima qualidade nos cuidados;
h)desenvolver o auto conhecimento e a assertividade;
i)basear a sua práxis clínica especializada em sólidos, válidos e atuais padrões de conhecimento;
j)cuidar da pessoa a vivenciar processos complexos de doença crítica e ou falência orgânica;
k)dinamizar a resposta a situações de catástrofe ou emergência multivítimas, da conceção à ação;
l)maximizar a intervenção na prevenção e controlo da infeção perante a pessoa em situação crítica e ou falência orgânica, face à complexidade da situação e à necessidade de respostas em tempo útil e adequadas.

ESTRUTURA CURRICULAR
O curso tem 90 ECTS e é organizado em três semestres, durante os quais se conjugam as dimensões teórica, de prática clínica e de investigação.
No primeiro ano, primeiro semestre, as atividades constarão de aulas teóricas e teórico-práticas. No segundo semestre os estudantes realizarão dois estágios obrigatórios e, simultaneamente, duas unidades curriculares de natureza teórica e teórico prática.
No segundo ano, o semestre é dedicado a uma área opcional que inclui uma UC de natureza teórica e teórico prática e um estágio. Esta área opcional é escolhida pelo estudante entre as oferecidas pela coordenação do curso, sendo que funcionarão entre 2 a 4 opções, em função do número de estudantes do curso, de forma a que cada uma tenha um mínimo de 8 e um máximo de 12 estudantes.
O plano de estudos respeita a matriz construída pela Ordem dos Enfermeiros, quanto aos temas que devem ser abordados em todos os CPLEE, temas que devem ser abordados neste CPLEE, estágios que devem ser realizados, duração mínima do período de estágio, duração mínima dos CPLEE e Título profissional exigido aos docentes responsáveis pelos estágios e aos coordenadores dos CPLEE.

As áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para obtenção do diploma são apresentados no Quadro 1.

Quadro 1 – Áreas científicas e créditos que devem ser reunidos para obtenção do diploma

 

ÁREA CIENTÍFICA

SIGLA

CRÉDITOS

OBRIGATÓRIOS

OPTATIVOS

Ciências da Educação

142

2.5

-

Gestão e Administração

345

2.5

-

Enfermagem

723

85

-

TOTAL

90

 

ORGANIZAÇÃO DO CURSO
O curso de Pós-Licenciatura de Especialização em EMC é organizado e gerido pela unidade científico-pedagógica de Enfermagem Médico-Cirúrgica, da ESEnfC. No entanto, para a sua máxima qualidade e atualidade participarão, na qualidade de conferencistas convidados:
-docentes de outras unidades científico pedagógicas da ESEnfC;
-enfermeiros especialistas em EMC,  a desenvolver funções em diversos contextos clínicos e com desenvolvimento reconhecido  na área da especialidade;
-enfermeiros especialistas em outras áreas de especialidade, cujo contributo se demonstre relevante para o curso;
-outros profissionais de saúde cujo contributo contribua para o desenvolvimento científico dos formandos.





Unidades Curriculares Área Científica Tipo Total horas Horas T Horas TP Horas PL Horas S Horas E/TC Horas OT ECTS


T - Ensino Teórico; TP - Ensino Teórico-Prático; PL - Ensino Prático e Laboratorial;
S - Seminário; E/TC - Ensino Clínico/Trabalho de Campo; OT - Orientação Tutorial

Os estudantes que concluírem o Curso de Pós Licenciatura de Especialização em Enfermagem Médico-Cirúrgica podem solicitar à Ordem dos Enfermeiros a atribuição do título de Enfermeiro Especialista em Enfermagem Médico-Cirúrgica a fim de prestarem cuidados especializados de enfermagem de Médico-Cirúrgica à pessoa em situação crítica, mas em praticamente todos os contextos de prestação de cuidados a nível hospitalar, onde, a qualquer momento, podem acontecer agudizações ou surgirem focos de instabilidade na pessoa internada, assim como, em diversas unidades de saúde de âmbito não hospitalar onde os saberes e as competências específicas destes enfermeiros podem contribuir para melhores resultados em saúde.




ID Data Nome do ficheiro


ID Data Título do aviso Aviso


1º Semestre
Rui Carlos Negrão Batista



2º Semestre
Isabel Maria Pinheiro Borges Moreira



3º Semestre
Isabel Maria Pinheiro Borges Moreira